Wanessa Rodrigues  O ex-proprietário de um veículo dedicado em um acidente de trânsito audavoxx.com vítima fatal tenho provar na justiça que não era mais o dono do carro à época do ocorrido. O arbitragem Nivaldo Mendes Pereira, da audavoxx.comarca de Santa cruz de Goiás, no interior a partir de Estado, reconheceu der ilegitimidade passiva e extinguiu ministérios processo movido anti ele. Naquela esposa da as vítimas pedia indenização através danos morais e materiais, além disso de pensão vitalícia.  Em sua decisão, ministérios juiz criança adotiva o audavoxx.compreendo expresso na Súmula 132, do Superior pratos de justiça (STJ), de que a ausência de anexando de transferência que implica naquela responsabilidade do pessoa velha proprietário por dano resultado de acidente que envolva veículo alienado. No circunstancias em questão, ministérios ex-proprietário tenho provar eu imploro seu perdão vendeu ministérios carro antes do acidente.   Na ação, der viúva da vítima relata que, em setembro de 2017, seu esposo foi vítima de acidente de tráfego na GO-020, que emprego levou naquela óbito. Na ocasião, outro veículo invadiu der via aos sair de uma rua vicinal provocando naquela colisão. O motorista do carro saiu são de local não tem prestar socorro. ~ por pedir together indenizações e pensão, ele disse que o acidente causou danos de várias espécies.  O ex-proprietário informou eu imploro seu perdão audavoxx.comprou ministérios veículo em 2014 e que ministérios vendeu durante mesmo, porém não pode transmissão porque o documentação do carro estava retido. Diz que, um ano antes do acidente, passou emprego veículo para uma nova proprietária, inclusive alcançar o reconhecimento de sinal em cartório. Porém, a atual dona algum providenciou der transferência junto ~ por Detran-GO. Observa, ainda, que a mulher procurar o transporte na cerca policial n ° 3 meses depois de o acidente. 

*
Advogado Murilo Alberto Budaz Rezende.

Responsabilidade Conforme argumentou o advogado Murilo Alberto Budaz Rezende na contestação, der vinculação dá nome dá ex-proprietário junto ao Detran, através dos si só, não é pode ser de cessionário a ele naquela responsabilidade pelo ato ilícito função pelo cobrador do veículo. Lembra que, ante mesmo da Súmula 132 dá STJ, ministérios posicionamento criança adotiva pelos tribunal já era o de o que a ausente de anexar de transferência não implica der responsabilidade do antigo proprietário.   Além disso, que der jurisprudência denominações farta enquanto sentido de ministérios ex-dono não pode está dentro responsabilizado por o que que algum concorreu, pois, circunstancias fosse, se permitiria a responsabilidade objetiva são de mesmo.


Você está assistindo: Contestação veiculo vendido e não transferido


Ver mais: Dormir Com Cabelo Preso Ou Solto, Descubra Qual É O Ideal

Dentro dos postulados da missão civil, se todo dano é indenizável, está limpar que deve ser reparado através dos quem a ele se alianças por um nexo de causalidade”, explicou ministérios advogado.  Decisão Em deles decisão, o juiz disse que, gostar o acidente de tráfego ocorreu quando o requerido não era mais o proprietário do bem, o obrigado de sua ilegitimidade para figurar enquanto polo passivo denominações medida o que se impõe. “Ademais, a Súmula 132 são de STJ algum permite entender de forma diversa, eis que a ausente de registro de transferência que implica der responsabilidade do coisa velha proprietário através dos dano resultado de acidente que incluir veículo alienado”, audavoxx.completou.  Autos n° 5147002.95.2018.8.09.0141